Caros Santistas anti-Bolsonaro na Vila: lembrem-se disso…

santos-vila-belmiro
Compartilhe!

Com capacidade para 37.672 lugares, limitado ao que se pode fazer por ter seu estádio cravado num bairro residencial de ruas estreitas, o Santos Futebol Clube obteve da Prefeitura o alvará para as obras que durariam 17 meses ao todo até que a fachada externa da nova ‘Arena da Vila’ pudesse ser inaugurada.

A parte interna seria entregue em 11 meses, com o início das obras no fim de 2009. Não querido leitor santista você não leu errado: 2009.

O Santos Futebol Clube contava com a simpatia do ex-Presidente da FIFA Joseph Blatter, que não via sentido em ver um estádio no Mato Grosso ou no Amazonas, e deixar o Templo do Rei Pelé de fora.

Uma empresa franco-suíça elaborou o projeto e uma empresa alemã faria a obra sob a supervisão de Manfred O. Steuerwald, responsável pela Imtech Arena em Hamburgo na Alemanha, casa do tradicional Hamburger SV.

A Empreiteira brasileira Andrade Gutierrez já tinha o sinal verde para a obra com aval de Nicolás Leoz, ex-Presidente da CONMEBOL, que também esteve envolvido com as obras do Beira-Rio e da Arena da Baixada.

O filho de Nicolás Leoz ‘trabalhou’ no Santos por mais de 6 anos, representando interesses comerciais e internacionais do clube paulista.

Sem espaço para crescer ‘para fora’, o jeito era crescer para cima a La Bombonera, mas com tecnologia que não permitisse pontos cegos entre os quase 38 mil lugares. O projeto foi aprovado. Belíssimo, Marcelo Teixeira se empolgou e garantiu a conselheiros que tinha a garantia de 4 jogos da primeira fase na ‘Arena da Vila’ e um jogo das Oitavas.

Algumas poucas imagens liberadas pela Andrade Gutierrez e por Manfred Steuerwald mostravam uma Vila Belmiro de fato belíssima, moderna.

Com 100% dos assentos reclináveis, nada de sentar em cimento ou assento vagabundos como os do Pacaembu ou do Morumbi – mais de 90% dos assentos protegidos do sol e da chuva e com um belo placar eletrônico de quatro faces suspenso por 12 cabos apoiados a estrutura moderníssima de Teflon-Fibra que sustentava a cobertura num belo tom azul que a luz do sol remetia as ondas do mar, o projeto era a menina dos olhos da Andrade Gutierrez.

Provado por A + B que o projeto não apresentava riscos estruturais com as reformas, já que o estádio seria aumentado em 13 metros sua altura e avançando 65 centimetros para ‘dentro’ da região do gramado, o caldeirão agora moderno, seria ainda mais caldeirão, sem alambrados antiquados.

Assim como o Palmeiras se iludiu pensando ser a Casa da Itália na Copa de 2014; Teixeira bradava que teria Inglaterra ou Portugal em Santos caso a Seleção de Cristiano Ronaldo chegasse a fase final de grupos, como chegou, mas optou por Campinas.

E Lula disse não a Nova Vila Belmiro e ao Western Union

Não custa lembrar que Lula queria 14 sedes, não 12 como acabou ocorrendo, a FIFA queria 10: 2 estádios em São Paulo, Morumbi reformado, a Nova Vila, Maracanã no Rio, Mineirão em Belo Horizonte, Arena da Baixada em Curitiba, Arena do Internacional e Arena do Grêmio em Porto Alegre, Nova Fonte Nova em Salvador, e finalmente a Arena Pernambuco, e o Mané Garrincha (o mais pressionado politicamente).

Lula desde logo rechassou a ideia da FIFA e disse que o Brasil levantaria estádios onde bem entendesse, até no meio da Selva Amazônica se necessário. Mais de 1 bilhão e 300 milhões no Itaquerão, 1 bilhão e 100 milhões do ‘novo’ Mané Garrincha, e pelo menos, mais 4.6 bilhões jogados no bolso de várias empreeiteiras e políticos Brasil a dentro e fora em outros elefantes brancos.

O balde de água fria do Mar de Santos foi jogado em Marcelo Teixeira antes das eleições que colocaram Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, também conhecido como LAOR, em seu lugar após uma década a frente do time santista.

Com Lula em alta, Marcelo Teixeira recebeu o recado do então presidente de que a Vila Belmiro não fazia parte dos planos para a Copa – que o Brasil não começava no Aeroporto do Galeão no Rio de Janeiro e acabava em Uruguaiana no Rio Grande do Sul.

Marcelo Teixeira tentou diversas reuniões com o então presidente da República, todas sem sucesso. Mas Lula não deixou de mandar o recado: ‘entre a FIFA querer o Morumbi e a Vila Belmiro e eu querer o Gigante do Agreste (estádio em Garanhuns – PE), é mais fácil em fazer o encerramento da Copa do Mundo no Gigante.’

Marcelo Teixeira baixou a guarda de vez quando soube através da Odebrecht que o Corinthians ganharia um estádio na Zona Leste paulistana ou na região da Vila Maria, ao lado da Marginal Tietê.

Custasse o que custasse. Hoje nossos bolsos sabem muito bem: 1.3 Bilhão via BNDES, CAIXA e outras falcatruas petistas, a Arena Corinthians tomou forma e tanto Santos, quanto o São Paulo Futebol Clube viram seus parceiros e investidores desaparecerem do mapa por pressão de Lula.

Investidores enganados! Torcedores lulopetistas idiotas?

Parte das torcidas organizadas do Santos – como a maioria delas – um bando de vagabundos ligados ao crime, portanto: simpáticos a Lula e ao PT, prometem hostilizar Jair Bolsonaro. Otários!

E os investidores? Bem, Frank McCourt, hoje dono do Olympique de Marselha na França, e Merritt Paulson, dono do Portland Timbers, capitaneavam o processo de investimento em clubes brasileiros e o Santos parecia o mais aberto, com a perspectiva de Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro logo presidindo o clube.

Este já falecido, com ideias mais progresistas que os velhinhos bico-doce da Baixada que desde a década de 1960 enchem os bolsos as custas do Santos. Assim como as organizadas que até passagens aéres tem pagas por conselheiros – mas isso é uma praga do futebol mundial.

Enfim! Ser torcedor organizado e ativista de esquerda rende dinheiro sem trabalhar e ainda te dá o direito a bons advogados e crimes a granel.

Digression Mode OFF.

Com o não de Lula, sendo o Santos parte ou não da Copa de 2014, Frank McCourt foi o primeiro a recuar, deixando o jovem Merritt Paulson cabreiro e sem cartas na manga para convencer alguns parceiros a investir no clube – o que incluia 4 anos de patrocínio de camisa com a Western Union, na época, com um plano agressivo de crescimento em toda a América do Sul.

Um ex-conselheiro Santista diz que a oportunidade perdida/roubada por Lula há dez anos atrás, pode ter sido o começo do fim do Santos como um gigante que novamente faria frente ao trio de ferro e outros grandes brasileiros – facilmente dividindo arquibancadas e sendo grande modelo de administração de um clube de futebol no Brasil.

Para piorar, se prestar a querer lacrar com um não a Bolsonaro e investidores árabes que o acompanharão? Se presta a um argentino peronista-kirchnerista que já ferrou o clube o fazendo perder 22 milhões de reais em patrocínios por não jogar em São Paulo?

Pelé disse a um jornal italiano que Deus está só agora cobrando dele as dívidas sobre as dádivas que ele colheu em seu auge. Parece que o Santos está vivendo o mesmo. Recadinho ao santista? Quem lacra, não lucra. Pergunte a PicPay.

Caros Santistas: respeitem Bolsonaro.

Quer saber mais?

/var/mandante.bcg Luc Michel

Autor de obras de arte inspiradas em Monet como: Espinafres em C+, Blockbusters como Rochelle, Rochelle, Cry, Cry Again, Death Blow e Prognosis Negative', Luc Michel também escreveu o marco beatnik Venetian Blinds. Em 2019 se aventura com 'Rush & Resist (Disco/Biografia do Power Trio Canadense)' lançamento em Dezembro. Editor do Better Call Glenn perturbando esquerdopatetas desde 1999 via Adequacy.org. Este nobre Tangamandapiano também é sócio-minoritário nos conglomerados KRAmerica e Vandelay Industries. Se quiser me processar por favor entrar em contato com meu advogado, Jackie Chiles.

15 bate-bocas

  1. Enfia o Bolsonaro no rabo…..foda-se projeto aqui e ali, cheio de mentiras aleatórias…o santista tem compromisso com o país. Foda-se Bolsonaro e quem vier junto!

  2. Sempre o Lula… O cara deve ter feito um estrago sexual em vocês para vcs não deixarem de lembrar dele heim…vai gostar assim de macho lá na casa do c… As caixas foram para o ATUAL sr. Presidente pela sua incapacidade de governar uma nação mista , não teve nada com o Lula, aliás esse já está livre não é?? A farsa está desmoronando…

  3. Que perda de tempo a minha em ler esse texto. Deve-se levantar a cabeça e olhar em frente. A eleição já ocorreu há mais de um ano. Lula é, por hora, passado. Se Bolsonaro quer ser respeitado, que não seja através de terceiros, mas de sua própria biografia. Ele deve trabalhar e mostrar resultado, qqer coisa fora disso é perda de tempo. Que conversa de Muares.

  4. Eu sou Santista e dou razão ao presidente Lula. Integrar todos os povos do Brasil. Porquê priorizar Rio/São Paulo, como sempre fizeram? Você é muito fofoqueiro. Quer jogar uns contra os outros.

    1. Na verdade, a Vila Belmiro tem mais história do que o time do Corinthians inteiro, a Vila é mais importante que qualquer outro daqui do estado de São Paulo, Lula estava indo atrás das propinas e corrupção da copa, quem concordou com o Lula nesse meio tempo não é vítima, já é cúmplice

  5. O nome do estádio do Corinthians é arena Corinthians e não Itaquerão meu amigo, sou eleitor do Bolsonaro e pago a arena Corinthians com um valor super faturado, um pouco de respeito com seus leitores Corintianos cairia bem.

  6. Eu sou torcedor do Santos Futebol Clube e me sinto honrado em receber no Glorioso Estádio Urbano Caldeira – Vila Belmiro, a visita do Exmo.Sr. Presidente da República Jair Messias Bolsonaro! Melhor ainda se a visita vier a proporcionar ao clube, oportunidades de investimentos por parte dos acompanhantes árabes!
    Aos santistas de todo o Brasil, agora é hora de lucrar e não lacrar, talkey?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *