Até nas Filipinas contra Rodrigo Duterte? Omidyar Presente!

Pierre Omidyar-Nishant-Lalwani

Você pode nunca ter ouvido falar de Maria Ressa, uma filipina radicada nos Estados Unidos, esquerdopata que foi presa pelo Presidente Rodrigo Duterte por falsificar dados sobre o governo filipino, evasão fiscal, pagar militantes da mídia (Oi Monica, Oi Reinaldo, vão faltar ois!) filipina dentro e fora do país para difamar Duterte e defender criminosos enjaulados pelo presidente altamente popular e também de direita.

Maria Ressa CEO do Rappler
Maria Ressa CEO do Rappler

 

Ela comanda o Rappler, uma espécie de Mídia Ninja das Filipinas. Ninguém leva a sério, mas faz barulho. Guess What? Num evento fanfarrão chamado de Media Freedom Conference, bancado por Pierre, onde Jair Bolsonaro sofreu ataques grosseiros por parte de Maria Ressa, o jornalista canadense Ezra Levant tirou a senhora Ressa do sério; e ela acabou admitindo que Pierre Omidyar colocou 4.5 milhões no Mídia Ninja dela.

 

Com mais um pouco de investigações, Ezra Levant descobriu que 4.5 milhões é o que Maria Ressa recebe por mês do Omidyar Group, por meio de seu braço é… filantrópico, chamado de Luminate, dirigido por Nishant Lalwani, um inglês-indiano apoiador de outro amigo de Pierre Omidyar: o ditador amigo de estupradores Narendra Modi, primeiro ministro da India, e que teve metade de sua campanha política bancada por Pierre Omidyar.

Mais informações sobre a dupla foi levantada pelo site investigatio PANDO, confira AQUI. Nishant Lalwani, uma espécie de contador de Pierre Omidyar, esteve no Brasil no início do ano para encontros com Glenn Greenwald. Como somos muy inocentes, cremos que era para curtir uma praia no Leblon – e entre uma caipirinha e outra: quanto custa derrubar Jair Bolsonaro?

Metodologia criminosa de Pierre Omidyar é sempre a mesma: criar o caos para derrubar inimigos ideológicos

Rewind. Rodrigo Duterte manda executar criminosos sem piedade. Nas Filipinas, tráfico de drogas significa execução sumária. Como Duterte não dá mole para esquerdopatas, ele é alvo fácil da mídia vermelha. Assim como com Viktor Orbán na Hungria, jornalista vagabundo e mau intencionado acha seu fim rapidinho!

Para nós do Better Call Glenn, não resta dúvida sobre quem pagou para obter de forma criminosa o material usado pelo The Intercept Brasil; com ratos travestidos de jornalistas da FOLHA e outros excrementos de jornal, emissora de TV (Rede Bandeirantes), ou portais de notícias de menor alcance.

Com Viktor Orbán na Hungria, jornalista vagabundo e mau intencionado acha seu fim rapidinho!

Todos os caminhos lamaçentos levam a Pierre Omidyar. Bola cantada pelo excelente O Antagonista FAZ TEMPO. Aliás, parece que só nós, O ANTAGONISTA e outros blogs de direita enxergam isso. Ok, sejamos justos: a PF segue de perto os movimentos desse sujeito por meio do The Intercept Brasil.

Mas tá demorando.

Pierre Omidyar, o canalha franco-iraniano que banca o The Intercept, compra armas para as FARC, doou uma fortuna para Neo-Nazistas na Ucrânia, deu quase 300 milhões para ditadores africanos e patrocina jornalistas de esquerda em mais de 30 países do mundo.

O rato do eBay está movendo um processo judicial contra Ezra Levant – como já dito – um jornalista canadense de direita que mostrou como Pierre Omidyar doou milhões para a campanha de Justin Trudeau – outro esquerdopata metido a progressista que anda arrebentando a economia canadense com medidas que jogarão o país numa crise fiscal pelos próximos vinte e cinco anos ou mais.

Ezra Levant é acusado por Trudeau de subornar fontes dentro do equivalente ao COAF no Canadá, onde descobriu as doações de Pierre Omidyar mascaradas de doações legais por milionários canadenses – todos ligados a Omidyar.

/var/mandante.bcg room16

4 bate-bocas

  1. Globalistas tem um livro de instruções atualizado a cada seis meses com os esquemas que cada braço aplicou em alguma região do mundo, para que os outros braços possam copiar.
    Mas nada se compara aos centros de recrutamento, onde eles concentram os mais talentosos anti-nacionalistas do mundo no Vale do Silício. Já encheram o Google deles e agora mandam gente anti-fronteira pra trabalhar no Twitter. Essas fundações estão infiltrando as empresas de tecnologia com cobertura da Apple, que está traindo os colegas.

  2. Num momento em que parecia que todas as portas estavam fechadas, vocês surgiram como a luz do fim do túnel. Estou esperançosa. Pelo menos, entendendo o que está acontecendo. Como eu, espero que mais alguns milhares.
    Vamos à luta.

  3. Excelente as informações. Com grande riqueza de detalhes.
    Peço autorização para replicar no meu blogue.

Já deu!